Assistente Jurídico: o que faz, quais funções e quando contratar um?

Assistente-Jurídico

Com o crescimento do seu escritório de advocacia, você precisará da ajuda de mais profissionais para fazer seu negócio funcionar de modo assertivo.

O aumento no número de demandas junto às mudanças das legislações são dois fatores que apontam a necessidade de contratar um assistente jurídico.

Você deve saber que o cenário brasileiro é marcado pela constante criação e alteração das leis nos âmbitos municipal, estadual e federal. Essas mudanças tornam a vida dos empreendedores jurídicos bastante complicada.

Por este motivo, escritórios de advocacia têm contratado assistentes jurídicos para ajudar nas atividades, o que garante mais segurança e tranquilidade para os empreendedores.

Mas, afinal, o que esse profissional faz? Quais são os benefícios de se contratar um? Qual é o melhor momento para contratar um?

Vamos responder todas estas perguntas em nosso artigo! Vamos lá?

O que é um assistente jurídico?

Um assistente jurídico é o profissional que vai te ajudar com as questões jurídicas ou administrativas do seu escritório de advocacia.

No mercado, existem diversos tipos de assistentes jurídicos, com funções, atribuições e remunerações diferentes. Esses detalhes são determinados de acordo com a demanda de cada negócio e o grau de conhecimento técnico de cada profissional.

Cada tipo de assistente jurídico possui uma função diferenciada e, por este motivo, sua remuneração varia de acordo com o nível de responsabilidade de suas atividades.

Independente de suas características, para ocupar esse cargo, o profissional precisa estar registrado na Ordem dos Advogados do Brasil, além de precisar conhecer as principais diretrizes e princípios jurídicos do país.

Sua atuação pode se estender às pessoas físicas, a gestão pública ou empresas, além do local de atuação, que pode ser em diversos órgãos públicos ou escritórios de advocacia.

O que faz um assistente jurídico?

Um assistente jurídico pode executar diversas atividades em um empreendimento jurídico, porém as tarefas de acompanhamento de processos administrativos e judiciais estão entre os mais recorrentes.

No entanto, esse tipo de profissional pode ser responsável por outras atividades, como:

  • Análise de contratos, documentos, acordos e sentenças;
  • Controle da agenda dos advogados;
  • Elaboração de relatórios, declarações e petições judiciais;
  • Emissão e organização de documentos;
  • Atendimento aos clientes e participação em audiências;
  • Auxílio na elaboração de defesas ou acusações;
  • Controle de informações em sistemas jurídicos ou planilhas.

A melhor forma de determinar as atribuições do profissional em seu escritório de advocacia é levar em conta seu grau de instrução e relacionar às demandas da sua empresa, de forma que suas habilidades sejam aproveitadas de forma inteligente.

Quais são as habilidades de um assistente jurídico?

No momento de escolher o melhor profissional para trabalhar em seu escritório, é importante levar em conta não só as habilidades técnicas do candidato à vaga, mas também suas características comportamentais.

Se atentar aos aspectos comportamentais é importante para analisar se o candidato possui o perfil que você está procurando, além de saber se ele está realmente alinhado com o propósito do seu escritório.

Confira algumas competências que você deve levar em conta na contratação de um assistente jurídico:

  • Ser determinado e responsável;
  • Ter capacidade de concentração;
  • Habilidade para mediar conflitos e agir sob pressão;
  • Capacidade de persuasão;
  • Inteligência emocional;
  • Boa comunicação e organização.

Não se esqueça de escolher uma pessoa com perfil proativo e que goste de aprender, devido à necessidade desse profissional estar atento às novidades do campo jurídico.

Quais são os tipos de assistente jurídico?

Como você já deve saber, o cargo de assistente jurídico pode ser ocupado por diversos tipos de profissionais. Para te orientar melhor sobre cada especificidade, resolvemos explicar as características de cada perfil.

Auxiliar Judiciário

O auxiliar judiciário é o tipo de profissional que desempenha atividades de apoio operacional ao Poder Judiciário.

Dentre as suas principais funções estão recepção, acompanhamento e localização de documentos e processos.

Por não se tratar de uma atividade que exige muito conhecimento técnico, o auxiliar judiciário não precisa, necessariamente, de ter uma formação na área do Direito.

Por este motivo, no momento de ingressar na carreira, só é exigido que o profissional tenha cursado o ensino fundamental completo.

Esse cargo é a porta de entrada dos profissionais na área, que precisarão se graduar e especializar, caso queiram ter uma carreira bem sucedida.

Técnico Judiciário

Os técnicos judiciários oferecem suporte técnico e administrativo ao Poder Judiciário.

Entre suas funções nos órgãos estão a elaboração de relatórios e certidões, produção de documentos administrativos e financeiros, atendimento ao público, abertura e encerramento de audiências e acompanhamento de processos.

Por executar tarefas de nível intermediário, esse tipo de profissional deve ter, no mínimo, o ensino médio completo ou um curso técnico em uma área que ofereça conhecimentos jurídicos.

Dentro da carreira, é possível seguir em três áreas: área judiciária, área administrativa ou técnicos de segurança e transporte. Embora sejam diferentes, as três tipos oferecem o mesmo valor de remuneração.

Analista Judiciário

Um analista judiciário é responsável por executar atividades de maior complexidade como supervisões, planejamentos e assessoria jurídica.

Atividades como de processamento de feitos, execução de mandados, análises e pesquisas e elaboração de pareceres estão entre suas atividades rotineiras.

De acordo com a Constituição Federal, um profissional só pode ocupar a vaga de analista judiciário se for aprovado em um concurso público.

No entanto, por mais que você não consiga mantê-lo em seu escritório, por conta do alto custo, é importante tê-lo em sua rede de contatos, pois pode precisar de uma consultoria particular em algum momento.

Por fim, existem duas áreas em que os analistas judiciários podem atuar: a área jurídica ou a área administrativa.

Na primeira área, o profissional trabalha com planejamento, organização, coordenação, supervisão, pesquisas e revisão de documentos jurídicos.

Já na área administrativa, o analista trabalha com contabilidade, finanças, auditorias públicas, controle de emolumentos e custas, contagem dos juros nas ações e expedição de documentos administrativos.

Assessor Jurídico

Assessor jurídico é um especialista, que presta uma assessoria jurídica exclusiva para os clientes de um escritório de advocacia.

Esse profissional pode analisar e a elaborar contratos, participar de audiências, acompanhar ações processuais, além de oferecer atendimento ao público, se necessário.

Às vezes, sua função pode ser confundida com a figura do analista judiciário, mas ao invés da necessidade de prestar concurso para exercer a função, esse cargo é ocupado por servidores comissionados, sem vínculo permanente com o poder público.

O profissional, que também precisa estar registrado na OAB para exercer a função, também pode ser um bom parceiro para seu escritório de advocacia, quando for preciso.

Advogado

O advogado é o profissional graduado em Direito, registrado na OAB, responsável por defender e representar seus clientes baseado nas leis vigentes do país.

Um advogado pode realizar todas as atividades jurídicas de um escritório, que sejam relativas à sua atuação, como protocolar ações, auxiliar em processos, realizar consultorias e oferecer assessoramento jurídico.

Além disso, ele pode atuar em todas as áreas do direito, como:

  • Direito Ambiental;
  • Direito Civil;
  • Direito Eleitoral;
  • Direito Empresarial;
  • Direito Penal;
  • Direito Trabalhista e Previdenciário;
  • Direito Tributário.

O advogado deve ter como princípios norteadores as diretrizes do estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil, agindo sempre com ética.

Quais são os benefícios de contratar um assistente jurídico?

Se você estiver se perguntando sobre quais são as vantagens em contratar um assistente jurídico, saiba que a resposta é clara: segurança e estabilidade para a gestão do seu escritório de advocacia.

Apoio técnico

O apoio técnico de um assistente jurídico é um dos principais motivos para a contratação deste tipo de profissional.

Por ajudar na leitura e elaboração de documentos, acompanhamento de processos, análises e auxiliar nas ações, você terá mais confiança nos procedimentos do seu negócio.

É sempre bom ter mais um profissional com um olhar especializado para as atividades, documentos e análises.

Tomada de decisão

Um assistente jurídico ajuda na análise de dados e informações dos processos para que você tome decisões de modo consciente.

Para isso, ele pode verificar documentos, analisar contextos necessários e atuar como um conselheiro para o seu negócio.

É muito útil que ele tenha uma visão holística e analítica dos fatos para te ajudar com isso.

Apoio legal

Um assistente jurídico, registrado na OAB, pode oferecer apoio legal em questões judiciais.

Ou seja, você terá mais uma pessoa para representar os clientes nas audiências, se você não puder ir. Esse detalhe é muito importante se a sua agenda e a do seu sócio estiverem cheias.

É uma grande vantagem para lidar com os imprevistos que acontecem no dia a dia e evitar transtornos.
Prevenção de problemas
Além das demandas rotineiras de um escritório, um assistente jurídico também pode atuar de forma preventiva.

Ele pode fazer análises externas, como a previsão de sentenças e preparação de recursos, ou internas, como problemas no fluxo de trabalho.

Profissionais que sabem identificar dificuldades e agir de modo preventivo são valiosos para seu negócio, pois podem evitar grandes prejuízos de tempo ou dinheiro.

Quando contratar um assistente jurídico?

Já que o cargo pode englobar vários profissionais é preciso entender o momento em que seu escritório de advocacia está passando, antes de tomar qualquer decisão.

Essas perguntas podem ser valiosas antes de se decidir:

  • Qual é a necessidade de assistente jurídico em meu escritório neste momento?
  • Quais são as atividades que eu preciso que ele realize?
  • Quanto eu posso pagar por seus serviços nesse momento?
  • Há demanda suficiente para esse profissional em minha empresa?

Só contrate um assistente jurídico se for realmente necessário. Caso contrário, você vai desperdiçar tempo e dinheiro em algo que não é importante. Ao responder essas perguntas, você saberá se precisa ou não de um assistente para seu negócio.

Se a resposta for positiva, é aconselhável que você contrate um advogado registrado na OAB, pois este pode entrar em juízo, contestar ações, desenvolver petições, representar os clientes em audiências e até mesmo te ajudar com a gestão jurídica do escritório.

(Software Jurídico)

Juntamos experiência e inovação. Somos mais do que uma plataforma de Gestão Jurídica, somos um hub de tecnologia. Acreditamos em uma advocacia orientada a dados.

0 I like it
0 I don't like it

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *