Inteligência Artificial no direito: oportunidade ou ameaça?

inteligencia-artificial-no-direito

Embora possa gerar insegurança em alguns advogados que ainda estão se habituando com inúmeras tecnologias, a Inteligência Artificial no direito é uma estratégia que pode trazer mais resultados para seu escritório de advocacia.

A adoção da tecnologia em empreendimentos jurídicos permite que colaboradores trabalhem com captação e análise de dados, o que incentiva a tomada de decisões com base em números objetivos e não apenas em suspeitas ou “achismos”.

Já existem soluções capazes de resolver problemas e automatizar processos, além de melhorar o desempenho de toda uma equipe e liberar tempo para ações mais relevantes para o escritório de advocacia. Mas como aplicá-las ao dia a dia?

É momento de parar de enxergar a Inteligência Artificial como uma ameaça e começar a enxergá-la como uma oportunidade. Neste artigo, você vai descobrir como ela ajuda na advocacia. Confira!

O que é Inteligência Artificial?

O conceito de Inteligência Artificial vem sido discutido desde a década de 50. A IA é uma especialidade da tecnologia que trabalha com a automação de sistemas através de dados.

Muito relacionada com outros termos como realidade virtual, machine learning e big data, a Inteligência Artificial tem o objetivo de automatizar tarefas repetitivas, que antes eram feitas por um ser humano.

Essa tendência ainda está muito longe de assumir o controle, mas já domina alguns aspectos da vida da pessoa, mesmo que ela não perceba.

Por exemplo, os chatbots, programas que podem responder os visitantes do seu site. Embora o sistema seja responsável pelo atendimento, a ideia é que as pessoas tenham a impressão de estar conversando com um ser humano e não com um programa de computador.

Como isso se aplica ao ramo da advocacia? A Inteligência Artificial está revolucionando a gestão jurídica, mas não pretende acabar com o emprego dos advogados, mas sim redefinir e complementar algumas práticas conhecidas.

Por isso, pense nela como computadores que executam tarefas previamente pensadas para exigir inteligência humana, mas que conseguem alcançar feitos muito mais extraordinários devido a todo o sistema por trás disso.

Como funciona a Inteligência Artificial no Direito?

Segundo pesquisa da Gartner, a transformação digital é uma prioridade para 17% das companhias nos próximos dois anos. Para escritórios de advocacia e departamentos jurídicos, isso não tende a ser diferente. As mudanças tecnológicas já estão sendo aplicadas em prol desses profissionais.

Um ótimo exemplo sobre o papel da Inteligência Artificial na advocacia é a aplicação da Jurimetria para decisões assertivas.

Primeiramente, vamos explicar o que é Jurimetria. Visto como um conjunto de dados que permite análises eficientes para escritórios de advocacia, a Jurimetria é responsável por analisar padrões em processos e decisões jurídicas para identificar oportunidades dentro de contextos específicos.

E para que isso seja possível, a Inteligência Artificial é um ponto fundamental para analisar mais dados, em menor tempo e com mais profundidade.

A análise de dados da Jurimetria permite decisões mais facilitadas e informam as melhores táticas para defender uma ação.

Por exemplo: Em um caso em que o juiz decidiu em favor da empregada na situação de assédio moral, em um novo processo semelhante a esse, o advogado trabalhista pode usar argumentos do magistrado sentenciante para embasar sua defesa.

E para que isso aconteça, ele precisa de um detalhamento do caso em dados reais, mais do que apenas a jurisprudência pode oferecer.

São essas estatísticas que permitem tomadas de decisões assertivas!

A Inteligência Artificial vai substituir os advogados?

O medo de ser substituído pela Inteligência Artificial é uma das principais inseguranças dos profissionais de direito. Mas não é preciso se preocupar: a tecnologia não veio para substituir os advogados.

Dr. Daniel Linna, professor de tecnologias jurídicas na Escola de Direito da Universidade de Michigan, afirma isso em entrevista:

Dito isso, é preciso se perguntar: “Vou acompanhar as novidades ou vou ficar para trás?

Ao invés de resistir a algo que já está presente, abraçar a novidade é a atitude mais recomendada. Podendo, inclusive, conduzir essa nova transformação do Direito, participando ativamente dela e se tornando precursores da iniciativa.

Segundo estimativa do McKinsey Global Institute, 1/4 do trabalho de um advogado pode ser automatizado com uso da IA e a adoção dessa tecnologia reduziria as jornadas de trabalho dos advogados em 13%.

Ou seja, todas as tendências que vêm surgindo são determinantes para que os advogados possam enfatizar demandas mais importantes e ganhar tempo para atrair novos clientes.

Seu escritório está preparado para a transformação digital?

Para preparar seu escritório e utilizar a Inteligência Artificial no direito de modo eficiente, é indispensável basear sua gestão em três pilares essenciais:

Pessoas: não adianta ter tecnologia de ponta, se você não possui pessoas para usá-la de forma estratégica. Contrate uma equipe que tenha facilidade com ferramentas digitais e análise de dados para ter resultados ainda mais satisfatórios.

Processos: é preciso abrir mão de processos antigos e abrir a mente para as mudanças organizacionais. Cada processo deve ser baseado em dados colhidos no escritório. Se for identificado que os resultados não estão sendo positivos, os procedimentos devem ser trocados imediatamente.

Tecnologia: quebrar as barreiras e inseguranças e adotar soluções inteligentes para o escritório de advocacia é indispensável. Lembre-se que, no início, será preciso esforço e energia para dar os passos iniciais nessa transformação.

Mas por onde e como começar?

Segundo a IstoÉ, o mercado global de Inteligência Artificial vai movimentar cerca de 125 bilhões de dólares no próximo ano. A estimativa ainda é que metade desse valor será investido em soluções que envolvam análise de dados.

Nesse contexto, o segredo é encarar todas essas mudanças com naturalidade, permitindo que o desafio se transforme em um fator que estimula boas práticas.

Para isso, conte com toda essa inovação e aproveite para conhecer sistemas que proporcionam mais tempo para o advogado exercitar sua capacidade cognitiva de tomar decisões baseadas em dados, a partir do uso de Inteligência Artificial.

Agora me responda: se a Inteligência Artificial no direito é usada para facilitar trabalhos manuais, porque não adotá-la como uma oportunidade de melhorar seus resultados? Não deixe também de conferir nosso ebook sobre tecnologia para advogados modernos!

(Software Jurídico)

Juntamos experiência e inovação. Somos mais do que uma plataforma de Gestão Jurídica, somos um hub de tecnologia. Acreditamos em uma advocacia orientada a dados.

0 I like it
0 I don't like it

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

5 × 1 =